É muito comum ouvir “você voltou ótimo!” dos colegas quando você retorna ao trabalho das férias. Mas será que viajar faz bem à saúde de verdade ou apenas traz benefícios momentâneos?

Foi para responder essa pergunta que a Kuoni Travel and Nuffield Health, do Reino Unido, fez uma pesquisa para mensurar os benefícios físicos de uma pausa para conhecer novos lugares.

À frente do estudo estava a psicoterapeuta Christine Webber. Ela comandou uma série de testes clínicos e psicológicos para apresentar, pela primeira vez, uma ideia precisa dos benefícios que sair do lugar-comum traz e como essa pausa na rotina pode influenciar vários indicadores de saúde. Alguns dos principais indicadores que podem ser alterados com uma viagem são a pressão sanguínea, a habilidade de se recuperar do estresse, a qualidade do sono e, claro, o nosso lado emotivo.

As etapas do estudo que comprovou que viajar faz bem à saúde

espreguiçando

Para provar que viajar realmente faz bem à saúde física e mental, a pesquisa estudou 12 pessoas que foram submetidas a exames e testes completos de saúde física e psicológica. Para chegar aos resultados, a equipe de pesquisadores também fez as “cobaias” utilizarem um monitor cardíaco além de passar orientações de dieta e estilo de vida.

Metade desse grupo de pessoas foi enviada a viagens para a Tailândia, Peru e Maldivas. A outra metade ficou em casa.

Duas semanas depois da metade viajante ter retornado, os participantes foram submetidos a mais testes médicos e psicológicos. O acompanhamento através dos monitores cardíacos também continuou por alguns dias.

Os resultados

Em linhas gerais, o estudo mostrou que viajar faz bem à saúde através dos resultados apresentados pelos participantes que viajaram: eles obtiveram uma capacidade de se recuperar do estresse, qualidade do sono e pressão sanguínea muito melhores se comparadas aos resultados do grupo que ficou em casa.

Resiliência ao estresse

A habilidade de se recuperarem dos viajantes melhorou em 29% após o tempo fora. Ao contrário do grupo que ficou em casa, que sofreu uma piora nesse sentido de 71%.

Qualidade de sono

Os viajantes tiveram uma melhora de 34 pontos na qualidade do sono, enquanto que os participantes que ficaram em casa apresentaram piora de 27 pontos.

dormindo

Pressão sanguínea

Tirar uns dias de folga para viajar resultou em uma redução da pressão sanguínea de 6% nos viajantes. À título de comparação, a pressão sanguínea daqueles que ficaram em casa aumentou 2%.
Esse resultado já era esperado pelos pesquisadores, já que esses participantes tem uma resistência menor ao estresse justamente por não terem viajado. E o estresse pode resultar em aumento da pressão arterial, potencializando o risco de derrames e infartos.

Outras evidências de que viajar faz bem à saúde:

A pesquisa ainda mostrou outros resultados favoráveis àqueles que conseguiram viajar:
• Diminuição nos níveis de glicose no sangue, reduzindo o risco de diabetes.
• Melhora na aparência física e redução de peso na área dos quadris e barriga, o que pode reduzir o risco de doenças cardíacas e diabetes.
• Melhora no humor e nos níveis de energia.
• Aumento da concentração.
• Redução da produção do hormônio cortisol, que gera o acúmulo de gordura no sangue.
• Aumento na absorção de vitaminas essenciais, como a vitamina D – importante para gerar força e resistência aos ossos.
• Melhora nos índices de fertilidade e da libido graças à redução do cortisol.

pulo

Que todo mundo ama viajar, nós já sabemos. Mas o que pouca gente se dá conta é dos benefícios concretos que sair da rotina e visitar novos lugares podem trazer a nossa saúde física e mental. Com algumas dessas evidências que apresentamos, esperamos que você tenha se convencido e já esteja pronto para agendar a sua próxima viagem!

Curtiu? Vota aí !

1 Estrela2 Estrelas3 Estrelas4 Estrelas5 Estrelas (2 votos, média: 5,00 out of 5)
Loading...

Tags

Continue a leitura